sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Olhar e Ver & Escutar e Ouvir


Olhar e Ver  &  Escutar e Ouvir 
                                                                                Por Sauk Brabdalise Junior











O processo de ver e ouvir, depois de olhar e escutar, faz com que seja efetivamente possível observar e interpretar nossa vida. Não há como crescermos e evoluirmos se somente olhamos e escutamos.
Todo ser humano fanático, crente em excesso, só olha e escuta. Não consegue avaliar a expressiva diferença que existe entre Olhar e VER. Escutar e OUVIR.
Só se vê com a Essência, ou Alma, se preferir. Só se olha com os olhos e para o supérfluo.
Olha-se, uma marca, um carro, uma bolsa, uma gravata e até mesmo, no limite, uma paisagem.
Vê-se comportamento humano, inteligência, evolução e sabedoria.
Vê-se o caminho que nos serve. Olha-se o que nos é indicado.
Vê-se, interpreta-se uma atitude, um gesto e assim consegue-se identificar, por exemplo, a diferença entre um necessitado e um pedinte profissional.
A diferença entre olhar e ver é a mesma que existe entre escutar e ouvir.
Escuta-se uma música, ouve-se uma canção, uma composição.
Vê-se um comportamento, olha-se uma roupa, uma marca.
Ao se olhar da nossa janela uma paisagem que contempla um poste, fios e pássaros, achamos até normal. Mas, pode-se ver muito mais do que isso...

Jarbas Agnelli, em seu Birds on the Wires, (Pássaros nos fios) mostra corretamente a diferença que existe entre olhar e VER.
Lendo um jornal pela manhã, ele deparou-se com uma foto de pássaros pousados em fios e VIU uma partitura. Os pássaros ali pousados tornaram-se as suas notas musicais. Nasceu uma linda composição.
Não sei se Jarbas sabe o que fez, nesta vida atual, mas em sua vida passada ele sabia, certamente. Tudo é uma questão de registro mental, que fica gravado. Nossa intuição sempre mostra isso.
A expressiva maioria das pessoas, ao lerem o jornal, olha uma fotografia de postes, fios e pássaros. Ele viu uma pauta musical.
A maioria das pessoas vive num processo automático. Não se preocupa em entender o que são e por que são. Simplesmente acorda, escova os dentes, come, trabalha e espera o momento acontecer. Em outras palavras: segue alguém.
Acumular riqueza material é, na maioria dos casos, o alvo que se busca. A riqueza interior fica esquecida. Desta forma, adoecemos facilmente porque não sabemos cuidar de nós mesmos.

Não entendemos que somos o efeito de nossas ações e causas passadas.
Vestir esta ou aquela grife é o que importa. Ter esta ou aquela marca e modelo de carro é que faz a diferença. E, motivados pelo bolso, pensamos que sabemos.
Há um enorme caminho a ser percorrido entre o entender uma vida e saber -e aceitar- a enorme diferença que existe entre religião, espiritualidade e filosofia de vida.
Para mim, este é o processo para se crescer.
Como e quanto eu olhava e não via nesta vida atual! Como eu não conseguia entender a diferença correta que existe entre saber ver -e interpretar- e simplesmente olhar.
Também não conseguia aceitar que apenas escutava, mas não ouvia.
Faltavam-me padrões e valores pelos quais pudesse efetivamente entender o que sou.
Ainda não cheguei onde pretendo, mas já consigo ouvir mais do que escutar. Ver mais do que simplesmente olhar.
Confesso que o caminho é árduo, porque exige muita observação, concentração, estudo e prática. Mas, onde encontramos o início do novo processo de se entender, interpretar o que se olha e se escuta?

Primeiro na disciplina da ME+DITA+AÇÃO.
No começo pode ser complicado, principalmente, para quem tem a mente tagarela, aquela que pensa mil coisas ao mesmo tempo. Várias pessoas confessam que não conseguem meditar...
Começa desta maneira: deite-se no chão, use uma almofada para a cabeça, coloque os braços ao lado do corpo. Una polegar com indicador e deixe a palma das mãos para cima. Se possível direcione os pés para o leste.
Feche os olhos. Acalme-se. Respire fundo algumas vezes. Esqueça os ruídos à sua volta.
Comece a contar regressivamente de 30 a zero. Entre um número e outro respire fundo. Tranque o ar. Sinta o seu coração e sua respiração. NÃO PENSE EM NADA. Só no próximo número. Solte o ar devagar. Acalme-se. Se perder a contagem no decorrer do exercício, recomece.
Terá que vencer o seu hábito de pensar em várias coisas ao mesmo tempo. Agora é SÓ UM NÚMERO DE CADA VEZ... só pense no próximo. Comande a sua mente.
Conforme achar conveniente, depois de vários dias de exercício, aumente os números começando em 50, 75, 100, 125 ou o que você achar adequado. Não existe regra. Você cria a sua. Tem o Livre-Arbítrio para isso. Mas é importante sempre seguir o próximo número. Caso se perca na contagem, reinicie do número que escolheu para fazer o exercício.
Com o tempo, não irá mais precisar da ajuda dos números... tudo entrará no processo de eliminar os pensamentos desnecessários da mente... é só você consigo mesmo.
V. irá ver como sua saúde ficará melhor... perceberá que come para viver e não vive para comer... perceberá que era um robô e que agora vive.
O processo de meditar é vencer a si próprio... o seu maior inimigo...
Portanto, a chave para se olhar e VER, escutar e OUVIR, é a meditação.
Contudo, o equilíbrio que se busca é o binóculo para que nossas escutas e contemplações sejam efetivamente usadas em nosso benefício.
Deixe de seguir, aprenda a ver e ouvir a seu favor.

Sei que nos veremos.
Beijo na alma




Nenhum comentário:

Seguidores