segunda-feira, 4 de junho de 2012

O Que é o Trânsito de Vênus ?






Um trânsito de Vênus é a passagem astronômica do planeta Vênus diante do Sol, visto da Terra, ocultando uma pequena parte do disco solar. Ocorre quando o Sol, Vênus e a Terra se encontram alinhados. Um trânsito de Vênus é semelhante ao eclipse solar pela Lua. Apesar de o diâmetro de Vênus ser quatro vezes maior que o da Lua, aparece bem menor durante o trânsito devido à maior distância entre o planeta e a Terra. O tempo da passagem é medido em horas; a ocorrência de 2004 teve a duração de 6 horas. Antes da era espacial, a observação dos trânsitos de Vênus era utilizada para calcular a distância Terra-Sol pelo método da paralaxe.
Os trânsitos de Vênus estão entre os fenômenos astronômicos previsíveis menos frequentes. Ocorrem numa sequência que se repete a cada 243 anos, com pares de trânsitos espaçados de 8 anos, seguidos de longos intervalos de 121,5 e 105,5 anos. Esta periodicidade é reflexo do fato de que os períodos orbitais da Terra e Vênus mantêm ressonâncias próximas a 8:13 e 243:395. Antes da ocorrência de 2004, o último par de trânsitos ocorreu em dezembro de 1874 e dezembro de 1882. No século XXI, o primeiro trânsito ocorreu em 8 de junho de 2004 e o seguinte ocorrerá em 6 de junho de 2012. Após 2012, o próximo par de trânsitos será em 2117 e 2125.
Um trânsito de Vênus pode ser observado com segurança tomando-se as mesmas precauções usadas nas observações das fases parciais de um eclipse solar. Olhar diretamente para o disco brilhante do Sol (a fotosfera) com olhos desprotegidos pode rapidamente causar danos oculares sérios e, com frequência, permanentes.


Antigos observadores gregosegípciosbabilônios e chineses conheciam Vênus e registraram os seus movimentos. Os primeiros gregos pensavam que as aparições noturna e matutina de Vênus se constituíam de dois objetos diferentes, Hesperus, a estrela da noite, e Phosphorus, a estrela da manhã. Credita-se a Pitágoras a compreensão de que ambos eram o mesmo planeta. Não há evidência de que qualquer dessas culturas sabia dos trânsitos. Vênus era importante para as antigas civilizações americanas, em particular para osmaias, que o chamavam Noh Ek, a “Grande Estrela”, ou Xux Ek, a “Estrela Vespa”; eles corporificavam Vênus na forma do deusKukulcán (também conhecido como ou relacionado a Gukumatz e Quetzalcóatl em outras partes do México). Os maias registraram o ciclo completo de Vênus no Dresden Codex (livro maia pré-colombiano do século XI ou XII), mas, apesar do conhecimento preciso do seu curso, não há menção ao trânsito.
O trânsito de Vênus foi dado como tendo sido observado por astrônomos islâmicos medievais. O sábio persa Avicena sustentou ter observado o trânsito de 24 de maio de 1032. Ele usou esta observação para demonstrar que Vênus estava, pelo menos algumas vezes, abaixo do Sol na cosmologia ptolomaica.Logo depois, ele escreveu o Compêndio do Almagesto, um comentário sobre o Almagestode Ptolomeu, no qual ele concluía que Vênus estava mais perto da Terra do que o Sol. No século XII, o astrônomo andaluz Ibn Bajjahreportou ter visto “os dois planetas como manchas negras na face do Sol”. No século XIII, o astrônomo Qotb al-Din Shirazi, do observatório de Maragha, no atual Irã, identificou a observação de Ibn Bajjah como trânsitos de Vênus e Mercúrio.  Entretanto, Ibn Bajjah não pode ter observado um trânsito de Vênus, já que nenhum ocorreu ao longo da sua vida.

A par da sua raridade, o interesse científico original na observação de um trânsito de Vênus era que ele poderia ser usado para determinar o tamanho dosistema solar, empregando-se o método de paralaxe e a terceira lei de Kepler. A técnica envolvia fazer precisas observações da pequena diferença do momento de início ou de término do trânsito em pontos bastante separados na superfície da Terra. A distância entre os pontos da Terra era então utilizada como base para calcular a distância até Vênus e o Sol por triangulação.
Embora por volta do século XVII os astrônomos pudessem calcular a distância relativa entre cada planeta e o Sol em termos da distância entre a Terra e o Sol (uma unidade astronômica), um valor absoluto preciso desta distância não tinha sido determinado. Em 1627, Johannes Kepler tornou-se a primeira pessoa a predizer um trânsito de Vênus, ao prever o evento de 1631. Seus métodos não eram suficientemente precisos para prever que o trânsito não seria visível na maior parte da Europa e, como consequência, ninguém foi capaz de se preparar para observar o fenômeno.

5-6 de junho de 201222:09
5 de junho
01:29
6 de junho
04:49
6 de junho
Totalmente visível no Havaí, Alasca, Austrália, o Pacífico e Ásia oriental, com o início do trânsito visível na América do Norte.


Nenhum comentário:

Seguidores